O QUE O MUNDO PRECISA É DE UMA DEUSA

SINOPSE

O paraíso e o sexo como metáforas serão sempre um bom ponto de partida para qualquer criação artística.

Será o sexo uma arma?

Amor e guerra, duas batalhas infinitas sem vencedores à vista. Esta é uma velha questão que assola a mente humana há séculos e sem fim à vista, que continuará a perturbar-nos por muito tempo sem respostas e certezas.

Continuando a procura de novos significados e novas linguagens, utilizando uma poética da alucinação entre o sonho e a realidade na busca de uma nova consciência quotidiana, apresentamos a nova criação da Alma d´Arame O que o Mundo precisa é de uma Deusa ou a Ilha dos Amores.

Ao trabalhar o objecto obsoleto, dando-lhe nova vida e significado, construímos um espectáculo-performance onde a imaginação está presente para ajudar a construir e a destruir certezas quotidianas.

Sugerimos o suspenso e o perdido como forma de encontrar novas perspectivas de vida e de morte, para que a vida não se torne monótona e desinteressada. Num mundo cada vez mais a precisar de novos caminhos e sonhos, cabe-nos fazer um esforço maior para encontrar a ressonância do que realmente interessa na nossa condição humana.


O que o Mundo precisa é de uma Deusa ou a Ilha dos Amores foi inspirado na obra do autor clássico grego Aristófanes, Lisístrata, de 411 a.C..

Convidámos João Garcia Miguel para que, com base nesta obra clássica, escrevesse um texto completamente novo, adaptado aos dias de hoje e que abordasse as mesmas questões que a Lisístrata trata: AMOR E GUERRA. Com 2500 anos de diferença, permanecem dois temas muito actuais.

Apresentamos um espectáculo em forma de comédia que recorre ao humor negro. Por vezes apetecerá chorar, pois tudo é uma incerteza e tudo se pode transformar de um momento para o outro.

“O paraíso e o sexo como metáforas serão sempre um bom ponto de partida para qualquer criação artística. Será o sexo uma arma? Amor e guerra, duas batalhas
infinitas sem vencedores à vista. Esta é uma velha questão que assola a mente humana há séculos e sem fim à vista, que continuará a perturbar-nos por muito tempo sem respostas e certezas.”

Encenação | Amândio Anastácio

Texto | João Garcia Miguel

Interpretação | Catarina Mota, Jorge Serena & Paulo Quedas 

Música | João Bastos

Espaço Cénico | Amândio Anastácio & Sofia Silva 

Figurinos |SofiaSilva

Costureira | Susana de Oliveira

Desenho de Luz e Montagem |João Sofio

Direção de Produção | Joana Crespo 

Assistência de Produção | Pedro Campelo

Gestão Administrativa | Alexandra Anastácio 

Comunicação | Alma d’Arame

Assessoria de Imprensa | HORA Marketing e Comunicação 

Marketing Digital | Digital Workplace

Design | Filipa Crespo

Fotografia | Inês Sambas

Vídeo e Teaser | Cooperativa Caal

Difusão e Circulação | Pedro Campelo

Brevemente

Brevemente

X