O FIM DO FIM

 Alma d’Arame e C.ª João Garcia Miguel

SINOPSE

o Fim do Fim ou os buracos que crescem sem cessar

Fabricar arte é criar objectos contaminados por utopias que são passagens para lugares inventados que pela duração de instantes nos empurram para um espaço partilhado por muitos. Para fabricar essa arte que contamina o pensamento adoece e produz ilusões de sonhos. Sonhos que são portas giratórias que descolam o que há fixo em nós. O que é fixo e se move pode ser a vaidade, uma estátua num pedestal, ou uma simples pergunta. São forças invisíveis partilhadas pelo artista quando sobe ao palco e debaixo da luz e em confronto com os olhares dos outros. São as forças invisíveis que se movem por dentro dos espectadores e que nos empurram com os seus límpidos olhares e fulgurantes respirações. Seja o palco, um livro, uma guitarra ou uma pedra de onde nasce a arte é uma coisa inventada, distante, inacessível. Uma utopia em movimento. 

Imaginámos dois buracos. Um ao lado do outro. Do buraco nasceu a poça que é um buraco com água. E do molde da poça surgiu a banheira. Da banheira saíram dois homens. A banheira é um buraco e uma poça conforme está cheia ou vazia. Um homem é um homem ou cão conforme tem esperança ou não. A banheira é um buraco que foi fixado, uma ideia raptada à natureza e que se pode levar para qualquer lugar. Pode usar-se lá por casa, num lugar que chamamos a casa de banho, que é já uma casa imaginada dentro de uma outra casa. É uma casa que serve para tomar banho. Nós usámos a banheira no seu sentido utópico. Empurrámos o rio, o mar, e o homem lá para dentro. É nas banheiras que voltamos ao mar, empurrados pelo sonho de sermos um barco. É nas banheiras que morrem os revolucionários. Empurrados pelo imaginado instante de nascer outra vez lá bem perto de nós, depois do fim. Metemos a cabeça na banheira. 

O fim assalta-nos. O fim de todas as coisas que nos deixaram, que aprendemos, que construímos parece eminente. Vivemos a angústia do fim como quem sobe uma montanha. E uma montanha é um buraco virado do avesso. Se caminharmos pelo avesso de uma montanha percorremos um buraco de ponta a ponta. Imaginámos a morte do fim e um viver sem fim. Por um átimo vislumbrámos saída. Corremos para o brilho e afinal era apenas mais um buraco. E a ansiedade não diminuiu. Aumentou a inveja e ficámos prisioneiros de um ponto fixo. 

Em o Fim do Fim, Amândio Anastácio e João Garcia Miguel cruzam capacidades. O tema é uma indefinível tensão entre dois mundos. O mundo que temos e essoutro que sonhamos. Em tempos inventámos as linguagens que nos ajudaram a construir esta utopia de mundo que mudou tudo à nossa volta. E que agora deixaram de servir essas linguagens. Porque impedem-nos de mudar. Porque nos aprisionam, limitam os sentidos e transformando-nos em informadores.  

A cada dia que passa matamos o espaço comum que hoje se confunde com redes. As nossas queridas redes são os instrumentos criados por nós os informadores que nos tornámos vítimas felizes de uma liberdade agrilhoada. 

A educação para os antigos filósofos, foi um exercício para o saber viver em comunidade, que era uma convivência forçada e desejada em busca de um valor em comum que elevasse as condições da vida. O combate para elevar o ser acima do buraco — que é como quem diz o ego individual — era um objectivo nobre e comum. Sobretudo, porque tinha uma componente ética maior. Ou seja, a tensão entre o individual e o colectivo era prioridade. Continha uma responsabilidade individual para com os outros baseada no respeito mútuo, que instaurava a harmonia e preservava a dignidade. Era uma luta permanente do ser. Entre a sua natureza e o gesto que exprimia a relação com o outro. Em termos actuais pode-se transferir esta luta entre o natural inscrito no corpo e a natureza do nosso ser social. Um combate selvagem e há muito perdido entre a natureza do natural e a “desnatureza” do social. Não são só as florestas virgens que ardem. São as nossas cabeças que estão a arder. Os mais optimistas dizem-nos que há um sentido maior e necessário nesta auto estrada que a humanidade percorre. 

A ideia inicial era uma peça sobre o fim premeditado dos objectos a que chama obsolescência programada. Uma morte prevista para os objectos. Aos poucos tornamo-nos, também, em objectos obsolescentes. O fim de todas coisas é aceite com a alegria de que a seguir há sempre um objecto novo e um recomeço. A partir escrevemos um texto que dá voz à vida aprendendo a dizer adeus. As coisas estão a mudar. Há correntes subterrâneas que nos empurram. Dançamos valsas e aos poucos transformamo-nos em cães. Somos filhos e frutos de experiências algorítmicas de empresas inovadoras. Não há nada que se possa fazer. Estamos a perder palavras. Cada dia um pouco mais. Está tudo a modificar-se radicalmente. Ão! Ãoo! Temos de aprender a modificar-nos também. Sentimo- nos cada vez melhor nesta vida de cão. E tudo para que haja um LUGAR PARA TODOS. O Quixote diz: quem lê um livro abandona-se num barco no alto mar corre riscos de ficar doido varrido e feliz da vida.

Reproduzir vídeo

"Modificámos tão radicalmente o nosso meio ambiente que devemos agora modificar-nos a nós mesmos neste

norbert wiener in Cibernética e Sociedade, o uso humano de seres humanos (1954) 

Programe-nos já

Falar com a Produção

Clique aqui

Dossier completo

Saiba tudo aqui

Download

Uma Coprodução | Alma d’Arame & Companhia João Garcia Miguel

Ideia Inicial | Amândio Anastácio

Texto | João Garcia Miguel

Espaço Cénico e Encenação | Amândio Anastácio & João Garcia Miguel

Interpretação | Duarte Melo & Paulo Quedas

Música | João Bastos

Figurinos | Rute Osório de Castro

Equipa Técnica | Luís Gomes & Roger Madureira

Direção de Produção | Georgina Pires & Geovana Jardim

Produção Executiva | Joana Crespo

Comunicação | Alma d’Arame

Assessoria de Imprensa | Susana Otão

Marketing Digital e Web | Digital Workplace

Designer | Vasco Costa & Carolina Braga

Fotografia | Inês Sambas

Vídeo | Pedro Grenha

Teaser | Roger Madureira

Difusão e Circulação | Vicente Paredes

DURAÇÃO

67m

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA

M/12 anos

EQUIPA PARA ITINERÂNCIA

6 pessoas

ESPAÇO

Black box ou Palco que terá o cenário adaptado às suas dimensões.

ILUMINAÇÃO E SOM

Cada espaço terá um desenho de luz e som adaptado ao mesmo.

TEMPO DE MONTAGEM

Palco: 3 turnos

TEMPO DE DESMONTAGEM

02:30h

Alimentação para 6 pessoas.

Alojamento – 2 quartos twin e 2 quartos single.

Quando deslocado acresce uma compensação de distância a Montemor-o-Novo calculada a 0,45 €/km.

X