AS HISTÓRIAS DO ZÉ BROA

SINOPSE

Visando um público infanto-juvenil, As histórias do Zé Broa pretendem reconstituir um curioso dispositivo de autoria de Manuel Rosado, marionetista popular famoso pelo seu Pavilhão Mexicano com que percorria as feiras portuguesas em meados do século passado.
Inspirado em passes da marioneta popular portuguesa mais conhecida, o Dom
Roberto, são contadas algumas histórias em que a personagem Zé Broa assume o principal papel na demonstração de um “teatro ambulante” original e sem paralelo, nascido da inventiva de Manuel Rosado.
Deste dispositivo apenas se conhece uma imagem e uma sumária descrição num artigo da revista Plateia do final dos anos 60, graças ao jornalista-marionetista Henrique Delgado.
A Alma d’Arame, ao produzir esta reconstituição, visa testar em condições práticas o resultado da investigação sobre este tema e assim contribuir para o enriquecimento do saber sobre as técnicas da arte da marioneta e da sua história.

Texto, reconstituição do dispositivo cénico, figurinos e marionetas: Ildeberto Gama

Encenação: Ildeberto Gama e Amândio Anastácio

Produção: Susana Malhão

Interpretação: Ildeberto Gama

Execução dos figurinos: Virgínia Rico

Assistência técnica: João Bastos

DURAÇÃO

25 minutos

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA

M/3 anos

EQUIPA PARA ITINERÂNCIA

  • 1 Marionetista
  • 1 Produtor

ESPAÇOS

Exterior:  Praça, Jardim ou outro local que não seja barulhento e se as condições meteorológicas o permitirem.

Interior: Palco ou Sala ampla que permita a instalação do cenário com as seguintes dimensões:

Largura: 3m; Altura: 3m; Profundidade: 3m.

NÚMERO MÁXIMO DE ESPECTADORES

120 pessoas

TEMPO DE MONTAGEM

1h 

TEMPO DE DESMONTAGEM

30m

Alimentação para 2 pessoas e alojamento, se necessário.

Quando deslocado acresce uma compensação de distancia a Montemor-o-Novo calculada a 0,45 km

X