FICHA TÉCNICA

 

Direcção Artística

AMÂNDIO ANASTÁCIO

 

Direcção de Produção

ANA SÊRRO

 

Direcção Técnica

JOÃO SOFIO

 

Consultoria Artística

ILDEBERTO GAMA

 

Conversas

CRISTÓVÃO OLIVEIRA E ILDEBERTO GAMA

 

Assistência de Produção

PEDRO GRENHA

 

Secretariado

PAULO ANASTÁCIO

 

Técnicos

JOÃO BASTOS E RUI CARRANCA

 

Design Gráfico e Fotografia

TIAGO FRÓIS

 

Página Web

RUI CACILHAS

 

Edição e Montagem e Video

JACINTO ANTAS

 

Recolha de Imagens

JACINTO ANTAS E RUI CARRANCA

 

Revisão de Textos

ADELINA CRISTÓVÃO

 

Motorista

RUI CARRANCA E PEDRO GRENHA

III ENCONTRO DE MARIONETAS DE MONTEMOR-O-NOVO

N

a esteira da edição anterior, considerada bastante positiva por termos alcançado de forma consistente níveis de publico muito elevados patente em salas muito preenchidas ou mesmo esgotadas, mais uma vez mostrando que existe na área de Montemor-o-Novo um público cada vez mais exigente, temos a clara percepção de que o nosso trabalho de consolidação do Encontro através da atracção de novos públicos começa a ganhar raízes, o que se pode explicar pela capacidade de atracção que um programa variado e com a participação de companhias nacionais de grande qualidade artística, pedagógica e educacional exerce, demonstrado pela grande adesão de público jovem que acorreu aos espectáculos apresentados, geralmente complementados por sessões explicativas e de divulgação dos segredos da Arte da Marioneta.

Com a experiência adquirida e validada pelas repercussões na comunidade para além do termo do encontro, propomo-nos não só contribuir para uma afirmação ainda mais forte do melhor que se faz no panorama nacional da ARTE DA MARIONETA, como proporcionar numa área geográfica periférica estímulos enriquecedores e potencialmente geradores de reflexão, permitindo à comunidade Montemorense não apenas a fruição dos espectáculos mas uma participação activa e reprodutora de que um conjunto de workshops previstos se configura como uma de várias ferramentas.

Com vista a materializar a consolidação referida e o salto qualitativo ambicionado, nesta edição programamos o aumento sustentado do número de apresentações, trazendo a Montemor-o-Novo 11 espectáculos de 10 companhias nacionais de elevados níveis artísticos e com diferentes formas de abordagem ao mundo da marioneta, as quais permitirão um espaço de reflexão e abertura a novas ideias, outras possibilidades de olhar este universo artístico e, deste modo, contribuir para o crescimento de um público cada vez mais exigente e diversificado.

Nesse sentido, aos espaços escolhidos e utilizados com sucesso em anos anteriores, introduzimos novos espaços (Hospital Pediátrico de S. João de Deus, Jardim Público e Praça da República) alargando assim o número de palcos disponíveis e procurando atingir também espectadores com necessidades especiais, como o caso das crianças internadas no Hospital de S. João de Deus, ultrapassando dessa forma questões de mobilidade.

No âmbito das iniciativas complementares, entre outras, a realização de uma exposição de marionetas da colecção dos bonecos de Santo Aleixo no Centro Juvenil, permitirá ao público juvenil e adulto a apreciação de uma das colecções mais antigas e ricas da história da marioneta em Portugal.

Temos, também, previstos dois ateliers. Um centrar-se-á na construção de marionetas destinado a um público infanto-juvenil e o outro destina-se a jovens estudantes e adultos em que o trabalho incidirá na manipulação de marionetas.

O teatro e a arte da marioneta serão os meios utilizados para estimular a imaginação de crianças, adolescentes e adultos. O público-alvo destes ateliers é a faixa etária entre os 8 e os 60 anos.

Complementarmente, estão previstas conversas abertas subordinadas ao tema “Teatro popular de marionetas em Portugal”.

À imagem dos anos anteriores, no final do III Encontro será promovida uma mesa redonda com vista a um balanço participado sobre este evento.

Este ano, na linha dos objectivos delineados desde o I Encontro, voltamos a escolher o mês de Junho para este III Encontro de modo a que coincida com o fim do ano lectivo para permitir uma maior adesão do público jovem, tendo em vista a contínua criação de novos públicos.

Sendo este evento o culminar da parte mais visível da actividade da Alma d'Arame, deverão ser levados em conta os efeitos que a multiplicidade de propostas artísticas presentes também irão produzir em termos de estímulo enriquecedor sobre a própria estrutura que, entretanto, prepara algumas criações para o futuro e ambiciona fazer a estreia desse labor em ulteriores encontros.