EQUIPA:

 

Direcção Artística

Ildeberto Gama

 

Produção

Amândio Anastácio e Maria Manuel Pinto

 

Captação e edição vídeo

Rui Cacilhas e Rodolfo Pimenta

 

Técnica

João Sofio

 

Captação áudio

João Bastos

 

Designer

Miguel Rocha

Encontro Nacional de Teatro D. Roberto

O

“teatro Dom Roberto” é uma genuína forma de teatro popular que quase chegou à extinção nas décadas de setenta e oitenta do século passado.

Serão muitos os que ainda se lembram da característica figura do fantocheiro, com a sua barraca às costas percorrendo as estancias de veraneio, feiras e mercados onde os estrídulos robertos entretinham miúdos e graúdos: - depois de montada a barraca, este “teatro” tinha uma completa “companhia” capitaneada pelo inefável Dom Roberto, o “actor” principal que invariavelmente distribuía pancadaria da grossa para gáudio da assistência.

As alterações sociais verificadas por força da guerra colonial e da emigração trouxeram tempos ainda mais difíceis para este teatro popular cujos mestres foram relegando os seus actores para o fundo das arcas. O “arte”, outrora transmitida oralmente entre mestre e discípulo, foi perdendo os seus intérpretes, salvo uma ou outra excepção, sem seguidores.

Essas excepções foram João Paulo Cardoso e José Gil, que aprenderam, embora em grau distinto, algum do repertório com Mestre António Dias e Francisco Mota com Mestre Domingos Moura.

A renovação da arte da marioneta em Portugal na viragem do século também se manifestou num incremento de pesquisa e tentativa de reconstituição do reportório específico do Teatro Dom Roberto.

Recentes estudos temáticos estão proporcionando novos elementos de reflexão pelo que a reunião dos novos fantocheiros num evento como este que a Alma D’Arame agora propõe ao público montemorense constitui uma oportunidade ímpar para um balanço do trabalho de reconstituição já efectuado e, quiçá, suscitar o despertar de algumas memórias que possam contribuir para um aperfeiçoamento e amplificação deste património popular tão genuíno. Para isso, conferimos particular destaque a um seminário envolvendo alguns convidados que estiveram de algum modo ligados ao universo dos velhos Mestres já desaparecidos e, naturalmente, todos os artistas presentes, aberto a estudiosos e outros interessados.